Articles

A contagem regressiva

Um homem precisava de um milhão de dólares para uma operação cara e complexa que apenas um hospital em todo o mundo poderia fazer. Ele não tinha certeza de como conseguiria o dinheiro para essa operação que salvaria sua vida. Mas para sua sorte, um homem rico e gentil descobriu sobre ele  e ficou feliz em ajudar. Ele estava fechando um acordo em alguns meses que lhe renderiam dezenas de milhões, então ele ficou feliz em mostrar gratidão a D'us e ajudar alguém necessitado com um milhão.

O dinheiro estava previsto para chegar em cem dias e o plano original do homem rico era dar o dinheiro ao homem que precisava então. Mas então ele pensou que se ele fizesse o doente esperar, a cada dia seria torturante para ele, então o homem rico teve uma ideia melhor. Ele inventou um pequeno trabalho que o doente poderia fazer por ele todos os dias e receberia dez mil dólares por dia pelos próximos cem dias. Dessa forma, o homem não sentiria a dor de esperar e, na verdade, cada dia ficaria mais próximo do objetivo de um milhão de dólares que precisava para sua operação. O homem também não perderia um dia de trabalho para não perder o seu grande salário.

Com esta história, podemos entender a mitsvá de Contar o Omer desta forma, como consta em Emor. Contamos como nos aproximamos da Doação da Torá em Shavuot. O tempo que recebemos a Torá é como o nosso casamento, como nação, com D'us. Mas quando uma pessoa aguarda seu casamento, ela conta os dias para chegar ao casamento. Por que ela contaria os dias que passaram? Então, por que nossa contagem do Omer é uma contagem de dias passados?

A resposta é porque contar esses dias não é apenas o ato de assinalar outro dia no calendário em direção ao grande dia de receber a Torá. Cada dia é destinado ao trabalho espiritual, para purificar e nos santificar. Todos os dias adicionamos mais santidade dando passos positivos em direção ao recebimento da Torá. Estes são passos necessários para nos tornarmos dignos de receber a Torá.

O Zohar afirma que quando estávamos no Egito, estávamos sob o domínio dos poderes do mal (no sentido espiritual. O exílio físico era apenas uma manifestação da impureza espiritual em que estávamos). Quando D'us nos tirou do Egito, tivemos que nos purificar e contar sete semanas, assim como uma mulher conta sete dias de purificação depois de seu ciclo menstrual antes que ela possa se tornar ritualmente pura. A Torá diz: “Você deve contar para si mesmo”, isso significa contar para si mesmo, você é quem se beneficia dessa contagem. Você se purifica para se tornar digno de receber a Torá. O Zohar conclui que alguém que não conta o Omer não ganha a pureza destes dias.

Então, qual mensagem podemos aprender e o que devemos fazer?

O Maharsha diz que a oferenda de Omer é de cevada, “comida de animal”. É isso que começamos no segundo dia da Páscoa. Em Shavuot, a oferta é dois pães de farinha de trigo, “comida de gente”. Nossa contagem começou no segundo dia da Páscoa e é uma sugestão para o fato de que éramos grosseiros e impuros, não prontos para receber a Torá. Isto é simbolizado pela cevada. Lentamente nós contamos e nos elevamos ao ponto de podermos receber a Torá e então alcançamos o nível das pessoas, simbolizado pela oferta de pão de trigo.

Isto é o que é exigido de nós;  nos elevarmos acima dos aspectos animalescos e materiais escondidos dentro de nós. Fortalecer e usar nosso intelecto para superar essas inclinações e desejos que querem irromper; para fortalecer a alma na mente sobre os desejos humildes do coração.

Ninguém disse que é fácil, mas é imperativo fazer isso para ser digno de receber a Torá.

Tags

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Related Articles

Back to top button
Close
Close