Como que foi concedida a graça do povo aos olhos dos Egípcios ?

וַה' נָתַן אֶת חֵן הָעָם בְּעֵינֵי מִצְרַיִם”
“…e D'us concedeu a graça do povo aos olhos dos Egípcios…” (Shemot 12:36)
Explica o Ramban:

O motivo pelo qual D'us deu a graça do povo à vista do Egípcios, foi para que os Egípcios não os odiassem pelas pragas. E não só isso: acrescentou amor e gosto por eles, dizendo: “Nós fomos os perversos e também fizemos o mal a vocês. Portanto, é apropriado que D'us vos abençoe”. E também o homem Moshe, que trouxe as pragas sobre eles, é muito grande em toda a terra do Egito aos olhos dos servos de Faraó. E Moshe também foi considerado grande perante aos olhos do povo de Israel, depois de terem dito a ele, D'us observará e julgará entra nós (pelo fato de que o Faraó dificultou as condições de trabalho após o primeiro encontro com Moshe e Aharon como consta em Shemot 5:21). Isto aconteceu, depois de terem visto que Moshe foi um fiel profeta ao cumprir as promessas ditas por D'us através dele…
 
Na noite da praga da primogenitura, na noite em que não havia nenhuma casa sem que houvesse alguém morto nela, os egípcios estão todos em terríveis tragédias. – o primogênito por parte de pai, o primogênito por parte de mãe, o primogênito do animal, todos estavam entre os mortos! Todos estavam de luto, os olhos estavam lacrimejando e os corações estavam quebrados.
 
De repente há uma batida na porta. Quem é aquele que bate na porta a esta hora? Aparentemente, um vizinho chegou perto de seus problemas! Ou talvez alguém tenha vindo para tranquilizá-los?
 
Mas, não! Este é apenas um dos povos de Israel. E o que ele quer? “Talvez vocês tenham uma taça bonita para a festa que eu quero comemorar?”
 
E os Egípcios respondem:
 
Claro, claro, lá, mostrando com um dedo. Pelo contrário, pegue o melhor, ou o mais bonito … talvez você queira um belo e agradável terno para essa festa também? “Aqui, pegue, eu ainda não tive tempo de usá-lo … Tente medir, para que seja bom para você …” E para seus filhos, você tem uma boa roupa para eles? ” se não, pegue as roupas que vocês quiserem, nós respeitamos muito a vocês e queremos que vocês nôs deêm a honra de que vocês peguem nossas melhores roupas e nossos melhores objetos …
E o povo Israel fez como Moshe ordenou, e pediram ao Egito utensílios de prata e utensílios de ouro e vestidos …” (Shemot 12: 35).
 
Um dos grandes e renomados rabinos desta geração, o Rabino Boruch Mordechai Ezrachi Shlit”a Rosh Yeshivat Ateret Yisrael e autor do livro “Birkat Mordechai” faz a seguinte pergunta:
 
Poderia ser ?! Será que este é o momento? Como eles não foram mandados para fora de casa com muita vergonha? Será que eles não tinham um mínimo coração?! Eles não encontraram um momento melhor?!
 
Para fortalecer esta pergunta, diz o Siftei Chaim, que na Torá (Shemot 1:12), está escrito que o povo de Israel era como um espinho nos olhos dos Egípcios. O que significa esta expressão?
 
Rashi explica (baseado na língua hebraica que a palavra ויקוצו-vaiakutsu, tem dois significados (1- foram como espinhos. 2- ficaram com nojo do povo) “Eles tinham tanto nojo do povo de Israel, que este nojo causou o ódio do povo Egípcio ao povo de Israel. Este ódio foi tão grande que, quando um Egípcio via alguma pessoa do povo de Israel, ele tinha nojo de si mesmo ao ver uma “coisa tão nojenta e abominável à sua visão”.
 
Deste modo, a incógnita anterior aumenta, que urgência tem o povo de Israel de fazer pedidos para sua festa justamente naquele momento?! Não é essa a inserção de um dedo nos olhos?!
 
A resposta está no próprio versículo: “E D'us deu ao povo graça aos olhos dos Egípcios e aproveitaram-se do Egito”. O segredo está em uma única palavra: “graça” Esta é uma palavra mágica. Quando há graça, não há espaço para perguntas. Não há nada que esteja na frente da “graça” quando D'us concede graça, a verdadeira graça, não há situações impossíveis de acontecerem.
 
A força e a potência do “dom da graça” é conhecida em vários níveis na vida humana. O mais proeminente dos quais é quando a pessoa procura seu (ou sua) parceiro(a) verdadeiro(a) para a vida- na linguagem hebraica isto é chamado de Shiduchim. Pode acontecer que em vários pontos o casal tem assuntos em conjunto e em várias camadas o jogo de cintura faz com que seja possível montar um quebra-cabeça muito complexo. Porém mesmo assim falta um “pequeno ponto” que é chamado de encontrar a graça…e sem este ponto, o “casal”, não montará um ninho familiar.
 
Por outro lado, em casos opostos, quando a discrepância entre as partes é tão visível, que é quase impossível de imaginar que este casal montará um ninho familiar, mesmo assim, existem casos que mais uma família é montada no povo de Israel. Qual é o motivo deste fenômeno impressionante?!?
 
Uma palavra mágica: “graça”. Esta virtude pode superar uma variedade de inconvenientes e criar uma correspondência no que parecia ser uma incompatibilidade.
 
Qual é o significado disso? Qual é o segredo do charme da “graça”? Será que pode ser adquirido? Ou é um presente de D'us? E mesmo que assumamos que ele é um presente de D'us, o que pode ser feito para ganhar esse presente?
 
Sobre Noach está escrito: “E Noach, sua graça foi encontrada aos olhos de D'us ” (Bereshit 6: 8). O primeiro passo, é que nossa graça esteja perante aos olhos de D'us. Isto é como encontrar o topo da perfeição.
 
Assim escreve o grande e erudito rabino, Rav Shimshon Refael Hirsch Zts”l :” a pessoa que sua graça foi encontrada aos olhos de D'us, chegou à perfeição pessoa superior que uma pessoa pode conseguir perante a D'us. Se uma pessoa merece a graça de D'us, Ele gosta dele “. Isto significa, que devemos ser dignos para receber a graça Divina e então essa graça será projetada sobre as pessoas.
 
Se um ser humano faz todas as suas ações apenas para seguir a vontade Divina, em seguida, será dito sobre ele no versículo (Mishlei 16:7) “quando D'us estiver satisfeito com o caminho escolhido pelo homem, também seus inimigos se apaziguarão com ele”.  Quando D'us vê que uma pessoa faz o que deve, sem interesse pessoal e somente para agradar a vontade de de D'us, até os seus inimigos começam a ser seus amigos. E porquê? Por que esta pessoa cumpriu a vontade Divina, e com isso merece a graça Dele. E quando a pessoa tem a graça Dele, até seus inimigos se apaziguam com ele.
 
Um de nossos problemas é que quando queremos agradar a alguém, também estamos dispostos a não seguir a lei do modo correto, para que possamos estar próximo de quem queremos.
 
Como poderemos alcançar essa perfeição? Como poderemos encontrar a graça perante a D'us? O Grão Rabino Rabi Osher Waiss Shlit”a, observa que, nas palavras de Chazal, encontramos quatro coisas que trazem a graça ao homem, e estas são: a) a humildade, b) a inocência, c) o temor aos céus d) o estudo da Torá.
 
Humildade. Como está escrito (Mishlei 3:34): “aos humildes será dada a graça”. Explica o Malbim:os humildes que não se orgulham discordar das leis da sabedoria, pois sua inteligência é curta para alcançar todos os segredos da sabedoria, a eles D'us concederá a graça à visão das criaturas.
 
Inocência. Como está escrito (Tehilim 14:12): “A graça e a honra D'us concederá e não impedirá o bem de que O segue com inocência”. O Radak explica: “A graça e a honra serão dadas aos que andam inocentemente e retornarão a D'us de todo o coração”.
 
Temor aos céus. Consta no Talmud (Sucá 49a), que está escrito (Tehilim 103:17): ” a benevolência Divina, desde agora até todo o sempre, está sobre aqueles que são tementes a D'us “. Todo aquele que tem graça, é sabido que tem temor aos céus.
 
Estudo da Torá. Como está escrito (Mishlei 5:19): ” que ela (a Torá) seja para ti como uma cerva formosa ou uma gazela graciosa, em seu colo te saciarás sempre, e em seu amor pensará sempre”.   O Talmud diz (Ketubot 77b) R. Yehoshua ben Levi, que se colocou em perigo e estudou Torá com pessoas doentes em doenças contaminosas. Ele explicou suas ações dizendo que a Torá é chamada como uma cerva formosa ou uma gazela graciosa, em seu colo te saciarás sempre, e em seu amor pensará sempre, se a Torá dá a graça a seus estudantes, muito mais que irá protegê-los.
 
Mais do que estas quatro coisas que trazem a graça, é necessário e imprescindível acrescentar a virtude da benevolência, como está escrito (Mishlei 3:3-4) ” não abandone a  benevolência e a verdade, amarre-as em sua garganta, escreva-as no quadro de seu coração, e encontrarás graça e bom senso aos olhos de D'us e das pessoas”.
 
Rabeinu Yoná de fato liga o trabalho do homem às suas virtudes com o resultado de “encontrar a graça” e assim ele diz: através de ser benevolente, a pessoa encontrará a graça perante a D'us e as pessoas. Isto também foi afirmado em outras palavras de Chazal que todo aquele que é piedosos com as criaturas, os céus serão piedosos com ele. Através da belas virtudes que a pessoa se comporta com seus companheiros, automaticamente sua graça estará presente ao olhar das pessoas.
 
Até aqui foi explicado e esclarecido os alicerces desta mágica palavra “graça”. Apartir daqui, trataremos de entender, como isto funcionou com o povo na saída do Egito.
 
Mas é necessário entender, qual mérito tinha o povo de Israel para receber esta graça? Eles não tinham nenhuma das virtudes citadas acima que trazem a graça às pessoas, eles estavam imersos nos 49 portões de impureza, então, como eles podem ter recebido esta graça?
 
De modo simples, poderíamos dizer que esta foi uma das promessas de D'us ao povo que  ” E concederei a graça deste povo ao olhar dos Egípcios . e será que quando saírem, não sairão vazios. E pegará cada mulher de sua vizinha… utensílios de prata e utensílios de ouro e vestidos” (Shemot 3:21-22).
 
De modo mais profundo poderemos dizer que o recebimento desta graça foi merecida pelo povo.
 
Assim explica o Gênio de mussar, o grão Rabino Eliahu Lapian Zts”l: “toda a tribo de Levi não se tornou escravos no Egito e não se afundou nos 49 portões da impureza do Egito, como as outras tribos … a tribo de Levi não deixou de estudar Torá e não deixou a região de Goshen. Eles ficaram lá, totalmente envolvidos com o estudo da Torá.
 
Pois no princípio da escravidão, Faraó não forçou a ninguém a trabalhar, ele simplesmente pediu que cada um fizesse um favor e fosse ajudar, e até seria assalariado. A tribo de Levi, não foi seduzida por esta “generosa” oferta de Faraó, e portanto não abandonou a região de Goshen. Continuamente, os Egípcios não poderiam força-los a trabalhar radicalmente para que pelo menos superficialmente sejam considerados, como respeitadores de suas palavras. Portanto, em todo o exílio do Egito, estava isenta de trabalho. As outras tribos que “se ofereceram a ajudar ao Faraó”…
 
E quando Faraó viu que a tribo de Levi, não estava trabalhando anunciou que somente cada trabalhador receberia sua porção de comida, não somente ele, como sua família também. Isto foi com o intuito de quebrar o espírito da tribo de Levi, e trazê-la ao trabalho.
 
Então a pergunta é, como que a tribo de Levi se alimentou, já que eles não se seduziram para trabalhar para o Faraó, e com isso, ficaram sem comida.
 
A resposta é impressionante, cada uma das famílias que recebia comida do palácio do Faraó, separava parte da comida para ser enviada a terra de Goshen , e com isso, a tribo de Levi  tinha o que comer. Este arranjo, durou todos os dias de exílio no Egito. Como o povo de Israel no Egito se comportou como herói, que não somente que não reclamaram da tribo de Levi que não estava se movendo para nada, e estavam somente estudando Torá, e eles embora estavessem escravizados ao Faraó no Egito com todos os tipos de encargos, mas de qualquer modo dividiram de seu pão escasso e deram à tribo de Levi com grande respeito, e obtiveram a graça Divina!!!
 
E eles não ouviram ninguém para se queixar, e disseram: Por que eu deveria dar? Eles não falaram e nem pensaram nos santos da tribo de Levi que estão envolvidos na Torá, porque todas as famílias e familiares sabiam e entendiam que deveria permanecer e encontrar uma parte respeitável do povo de Israel, estudando e envolvidos com a Torá. Por isso, dividiram de seu escasso pão para a tribo de Levi, para que não lhes faltem realmente nada.
 
À luz dessas palavras maravilhosas, entende-se que este dom da graça foi recebido com grande honestidade pelo povo de Israel, porque eles deram suas vidas à graça e ao aprofundamento da servidão com seus companheiros praticantes.
 
 
 
 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Related Articles

Back to top button
Close
Close