Torah & Ciência

Pesquisa demonstra a afirmação de Talmud: o azeite é bom para sua memória.

O que os sábios do Talmud nos disseram há milênios atrás sobre as propriedades do azeite está sendo descoberto agora em pesquisas modernas. Pesquisadores da Escola de Medicina Lewis Katz da Temple University encontraram um composto específico que protege contra a perda de função cognitiva; O azeite fino puro! As pesquisas mostraram que consumi-lo, protege a habilidade de aprender, lembrar e também impede a criação de depósitos amilóides no cérebro que provocam a doença de Alzheimer.
Os pesquisadores também encontraram o mecanismo que traz a proteção oferecida pelo azeite. “Descobrimos que o azeite de oliva reduz a inflamação no cérebro e, mais importante, ativa a ''autofagia “um processo no qual o cérebro destrói células desnecessárias e deposita substancias tóxicas, como os amilóides”.
Estudos anteriores descobriram que o alto consumo de azeite era um dos fatores que contribuíam para os benefícios atribuídos de uma dieta mediterrânea. Para verificar se existe uma correlação entre o consumo de azeite e um menor risco de demência, os pesquisadores usaram ratos com disposição genética para desenvolver a doença de Alzheimer. A partir da idade de 6 meses antes de mostrar quaisquer sinais de função cognitiva reduzida, os pesquisadores dividiram os camundongos em 2 grupos. Um grupo continuou com uma dieta regular e o outro grupo recebeu uma dieta alta em azeite. Aos 9 meses de idade e 12 meses, os ratos foram testados quanto à capacidade cognitiva e os ratos que tinham o azeite em sua dieta sempre se classificaram em níveis maiores. Além disso, o teste de tecido de seus cérebros mostrou diferenças drásticas. As células e sinapses dos ratos que consumiram o azeite estavam em muito melhor forma do que aqueles que não  tinham consumido. Da mesma forma, os depósitos de amilóides foram muito menores nos ratos que consumiram o azeite e demonstrou autofagia efetiva ocorrendo em seus cérebros.

Os pesquisadores dizem: “Esta é uma descoberta muito significativa, pois estamos falando de um animal com disposição genética para a doença de Alzheimer -que foi interrompido – provavelmente porque a doença de Alzheimer é causada por uma autofagia pobre e disposição de células de resíduos”.

O próximo passo do pesquisador é misturar o azeite nas dietas de ratos de 12 meses que já apresentam sinais de danos cognitivos. “Quando uma pessoa vem ao médico por causa de sintomas de demência, a doença já está lá. Queremos ver se o consumo de azeite irá interromper o progresso da doença ou talvez até revertê-lo “, dizem os pesquisadores.
Acreditamos que os resultados serão positivos, como diz o Talmud: “O rabino Yochanan diz, assim como a azeitona ajuda uma pessoa a esquecer sua aprendizagem de 70 anos, o azeite e recuperar o aprendizado de 70 anos” (Horiot 13b).

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Back to top button
Close
Close